Autenticar
Main menu

A AEG utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Entrevistamos Daniel Bernardo, jovem estudante de Galego em Vila Franca do Berzo

Entrevistamos Daniel Bernardo, jovem estudante de Galego em Vila Franca do Berzo

Por Manuel González Prieto

Entrevista a Daniel Bernardo.

No ano 2001, a Junta de Galiza e a Junta de Castela e Leom assinárom o Acordo de Cooperaçom para a Promoçom do Idioma Galego no Berzo, que permite que, nos centros adscritos ao programa, os estudantes de verdadeiros níveis do ensino obrigatório nom só podam estudar a matéria de Língua Galega, como também optar por um módulo em Língua Galega para o estudo doutras matérias, que tratam aspetos históricos e culturais.

No curso 2007-2008 as administraçons educativas da Galiza e Castela e Leom comprometêrom-se a estudar um modelo para oferecer nos centros de ensino que desenvolvem o Programa para a Promoçom do Idioma Galego em Castela e Leom, a Língua e Cultura Galegas como matéria optativa. Esta via permite a obtençom do CELGA III, título que possibilita aceder aos concursos públicos oferecidos pola Administraçom galega.

No passado dia 4 de maio de 2015, a Conselharia da Educaçom da Junta de Castela e Leom mandou para fora do currículo de Bacharelato no Berzo a matéria de Língua e Cultura Galegas. Segundo a nove ordem educativa, é considerada matéria de livre configuraçom autonómica e dada em horário nom letivo. O estudantado tem mais três horas em 1ª Bacharelato e 4 horas mais em 2ª de Bacharelato. A aplicaçom da LOMQE nos centros de ensino berzianos provoca que haja só um aluno em 1º de Bacharelato no IES Sarmiento, em Vila Franca do Berzo.

É por isso que entrevistamos Daniel Bernardo.

1. Daniel, porque é que estudas Galego? E porque recomendas estudar Galego aos estudantes berzianos mais novos?

Existem várias razons que o explicam. A fundamental é que som nado em Lugo e desde muito pequeno resido em Vila Franca do Berzo. É por isso que me pareceu muito positivo participar no Programa para a promoçom do idioma galego no Berzo. O Berzo, devido à sua situaçom geográfica, está em estreito contato com a Galiza, sendo parte da sua história. Isto explica que muitos berzianos empreguem a língua galega de forma habitual, e eu quero ser um mais entre eles.

Daí que o programa seja muito interessante e de grande utilidade para os berzianos e berzianas.
Recomendo o estudo da língua galega, já que tem muitos benefícios.

O principal é a possibilidade de obter emprego na Galiza de umha forma mais singela que sem ter conhecimentos de língua.

O galego também incrementa as possibilidades de aceder a um emprego no Berzo, já que muitas empresas exigem algum título CELGA.

Nom podemos esquecer que a língua galega está em estreito contacto com a lusofonia, um total de duzentos milhons de falantes, com os quais podemos estar em contacto de umha forma mais singela.

2. A aplicaçom da LOMQE está recebendo numerosas críticas negativas por parte da comunidade educativa. Que opiniom che merece? Que conseqüências julgas que irá ter no médio e longo prazo?

A LOMQE é o principal obstáculo para o sucesso do Programa para a Promoçom do Galego no Berzo. Evidentemente, som contra a aplicaçom dessa lei, já que relega o galego a matéria de livre configuraçom, o que supom um menosprezo pola nossa língua. É injusto que desapareça um idioma tam benéfico para o Berzo, que nos fará perder parte da nossa cultura berziana.

As conseqüências derivadas da sua aplicaçom nom serám a meio e largo prazo, senom imediatas, e à medida que esta se vá assentando, medrará a insegurança entre os alunos que cursem a matéria.
A LOMQE desloca o galego para fora do horário letivo habitual, o que me obriga a ter umha hora diária mais de classe. No meu instituto, em 1º de Bacharelato, onde a lei já está assente, a matéria é lecionada às 07.45 horas e o alunado que emprega habitualmente o transporte escolar nom pode escolhê-la, umha vez que a essa hora nom funciona o autocarro escolar. No ano passado fomos 14 alunos e alunas em 4o ano da ESO e, neste ano, um só aluno em 1º de Bacharelato.

3. No ano 2001, a Junta de Galiza e a Junta de Castela e Leom assinárom o Acordo de Cooperaçom para a Promoçom do Idioma Galego no Berzo, que permite que nos centros adscritos ao programa, os estudantes de verdadeiros níveis do ensino obrigatório nom só podam estudar a matéria de Língua Galega, como também podam optar por um módulo em Língua Galega para o estudo de outras matérias que tratam aspetos históricos e culturais. No ano letivo 2007-2008, as administraçons educativas da Galiza e Castela e León comprometêrom-se a estudar um modelo para implantar o Galego em centros de Bacharelato. Que papel jogárom as administraçons leonesa e galega na promoçom do Programa? Quais som as tuas recomendaçons a umha e outra Administraçom?

É óbvio que ambas as administraçons fôrom as promotoras e responsáveis pola ativaçom do Programa para a Promoçom do Idioma Galego no Berzo. Durante a sua etapa inicial, o Programa funcionou bem, mas por algumha razom que desconheço, perdeu prestígio de forma progressiva. Com o passar do tempo, aparecêrom numerosos inimigos e alguns aspetos “fulcrais” ficárom de parte: O Galego ficou desprotegido.

Ambas as administraçons devem mudar completamente a sua atitude para com o Programa.
A Junta de Castela e Leom tem que deixar de o conceber coma sendo um simples programa mais, e tomá-lo como “fulcral”, contribuindo assim para o correto desenvolvimento cultural da comarca berziana.

No transcurso de o Debate das Arelas de Sarmiento, decorrido no passado dia 9 de março, em Vila Franca do Berzo, a representante da Educaçom da Deputaçom de Leom dixo que, na aplicaçom da LOMQE: “Contárom com professores que estimárom oportuno fazer esta mudança”, -para a minha surpresa-. Eu perguntei-lhe entom se os professores eram de Galego, e ela respondeu-me com um rotundo “nom”, e isso preocupa-me muito, já que denota que os responsáveis da Junta de Castela e Leom nom levam a sério o Programa, incumprindo com o disposto no artigo 5 do Estatuto de Autonomia de Castela e Leom, que recolhe que: “Desfrutará de respeito e protecçom a língua galega nos lugares onde habitualmente for utilizado”.

Por outra parte, a Junta da Galiza deve ser capaz de pôr em marcha os mecanismos de pressom necessários para a defesa frente às contínuas violaçons que sofre a língua galega por parte de Castela. Percebo que a Junta da Galiza se humilha, deixando que Castela aplique a LOMQE, umha lei que pretende atentar contra a língua e cultura galegas.

No Berzo, o Programa para a Promoçom do Idioma Galego no Berzo é voluntário: “nom é obrigatório aprender a falar galego no Berzo?. O programa é benéfico para leoneses, berzianos, galegos e castelhanos. Entom, porque ir contra ele?

Foto de Suso Varela.

Última modificação emDomingo, 03 Abril 2016 22:15
Avalie este item
(4 votos)

2 comentários

  • lola
    lola Terça, 05 Abril 2016 11:27 Link do comentário

    Para Daniel a minha particular Alba de Gloria

  • Joám Lopes Facal
    Joám Lopes Facal Segunda, 04 Abril 2016 18:02 Link do comentário

    Ánimo para o amigo Daniel e memórias para a formosa terra berziana por onde tanto monte andei.
    JLF

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Facebook Twitter RSS Global