Autenticar
Main menu

A AEG utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
O frágil fio da memória

O frágil fio da memória

Joám Lopes Facal

Há já muitos anos, e o eco da memória soa mais amortecido, mas lembro como se fosse hoje a redescoberta de umha palavra até o momento inadvertida. Vivia eu em Madrid, na rua Victor de la Serna. Quase todo mudou desde aquela; perto da nossa casa ficava de umha parte o Estádio Bernabeu e da outra a rua de Arturo Sória que mantinha ainda o aspecto original que lhe imprimira o insigne urbanista. A rua conservava ainda daquela a sua funçom de eixo vertebrador que enfiava ao longo a Cidade Linear madrilena (1892): seis quilómetros de carril recorridos por um carro eléctrico, bordeado por singelas vivendas com jardim. Hoje, infelixmente, pouco fica do projecto original e a rua pouco mais é que umha leve cicatriz ao longo da M-30. O humaníssimo jardim doméstico e urbano que acompanhava a via eléctrica desapareceu engolido polo tráfico massivo que foge da cidade. Lembramos, por falar nisso, a triste história do tranvia que unia a cidade de Vigo com Porrinho de umha banda e com Baiona e Gondomar de outra. A ignoráncia habitual de concelhos e concelheiros e o desleixo social produz desastres irreversíveis.

Imos ao da palavra. Recebemos Ana e eu um bom dia na nossa casa a inesperada visita de um primo dela em primeiro grau que acabava de deixar a vida religiosa numha ordem que agora nom lembro e decidira reiniciar a vida secular visitando familiares perdidos. A prima médica que morava em Madrid com o seu homem, engenheiro que estava daquela a rematar os seus estudos de economia na Universidade Complutense, foi o objecto da visita que acabou prolongando-se mais do esperado pola animada conversa.

Falamos um bom bocado de política, de literatura e revistas e da Universidade. Escuitava o primo atentamente, até o momento em que Ana interrompeu para perguntar-me se tinha feita a compra e recordara o encargo que me tinha feito. Pois, a verdade é que nom, respondim-lhe, esquecim.

O amigo esboçou um sorriso e comentou: "esquecim, do verbo esquecer com certeza, que formoso!" O comentário colheu-me por surpresa, a língua tem muito de discurso inconsciente e nom soemos reparar no curso das palavras.

"Esquecer, de ex cadere ou ex cadescere, deixar cair1", completou o comentário. "É umha maravilhosa metáfora etimológica que ensina que a memória pende de um frágil fio que pode romper em qualquer momento".

Nunca esquecim a liçom nem a alegria do mestre em latins ao descobrir a poética raiz de um verbo para ele desconhecido.

Mais adiante pudem comprovar que o verbo escondia-se também nos dicionários italiano, francês, romeno, sardo, e mesmo asturiano. Também no espanhol, em palavra pouco usada: escaecer com a equivalência de desfallecer.

Vivemos sobre um caudal de metáforas e inesperados desvios, vivos ainda em homenagem inconsciente a ancestres esquecidos.

1 https://en.wiktionary.org/wiki/escaecer#Spanish

Última modificação emTerça, 20 Fevereiro 2018 22:06
Avalie este item
(1 Voto)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Facebook Twitter RSS Global