Autenticar
Main menu

A AEG utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Zeca Afonso, um dos nossos!: "Os galegos falam galego, ou seja, galaico-português, e não castelhano"

Zeca Afonso, um dos nossos!: "Os galegos falam galego, ou seja, galaico-português, e não castelhano"

Recuperamos e transcrevemos umhas pouco conhecidas palavras do grande cantor português José Afonso, pronuncidas num concerto em Viana do Castelo, em fevereiro de 1980, dedicadas à Galiza e à nossa condiçom nacional e lingüística:

“Infelizmente, há quem pense que os galegos são muito diferentes de nós e que falam uma língua chamada castelhano –outros dizem que falam uma língua chamada espanhol–. O que é certo é que na chamada Espanha existem, como toda a gente sabe, vários países, várias regiões, com uma personalidade própria, com uma cultura própria. Ora, a Galiza, como bem foi destacado por um professor que era aqui do norte, que era o professor Rodrigues Lapa, pertence à mesma realidade cultural que Portugal, sobretudo que o norte de Portugal; mas por artes de berliques e birloques, partilhas, lutas entre senhores feudais, hoje existe uma fronteira a separar povos que têm praticamente a mesma língua e que são, aliás, muitíssimo semelhantes, até na sensibilidade.

Portanto, os galegos falam galego, ou seja, galaico-português, e não castelhano. Infelizmente, durante a ditadura franquista, tudo foi feito para que os galegos se envergonhassem da língua que falavam e a repressão a todos os níveis, mas a repressão à cultura e à forma de ser tradicional dos galegos foi de tal ordem, que o próprio galego foi definitivamente abolido das escolas: foi proibido falar galego.

Só muito recentemente é que, beneficiando de uma certa abertura que surgiu após a morte de Franco, do ditador, se está tentando recuperar a língua e falá-la nas escolas, mas enfim, entretanto, a língua sofreu deturpações, não é?, e já muito dificilmente pode ser restituída a sua pureza original.”

Eis o fragmento do áudio do referido concerto, em que o Zeca pronuncia as palavras acima transcritas:

Avalie este item
(4 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Facebook Twitter RSS Global