Autenticar
Main menu

A AEG utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Tou, tá, pá... usos próprios da língua informal

Tou, tá, pá... usos próprios da língua informal

Destaque

Tenho ouvido a ambos os lados do Minho empregar palavras como tou, em vez de estou; , em vez de está, e, mesmo, , em vez de para. A minha dúvida é: este fenómeno tem algumha explicaçom lingüística ou é um mero erro na hora de falar? Saudaçons.

 

Renuido.

 

RESPOSTA DA COMISSOM LINGÜÍSTICA

 

1.- As formas tou, com o significado de ‘estou’, e , com o significado de ‘está’, som próprias dos usos coloquiais ou informais da língua e surgem por simplificaçom (aférese) a partir das formas verbais plenas, próprias da língua formal, estou e está, respetivamente, como afirma a nossa amável consulente. Podemos dizer, entom, que, num uso coloquial e informal do galego-português (nom formal ou culto), é apropriado o uso das formas tou e com o valor, respetivamente, de estou e está.

 

2.- Quanto às formas pa/pá, diga-se que, como nos casos anteriores, elas pertencem a usos coloquiais ou informais da língua. A primeira delas surge por simplificaçom da forma plena para , junto a pra (nos dous casos, átonas); a segunda, como variante da forma plena rapaz () (através de aférese e de relaxaçom e emudecimento da consoante final: (ra)pa(z)). A forma coloquial utiliza-se sobretodo como fórmula vocativa endereçada a indivíduos dos dous sexos: eh pá!, ó pá! Em todo o caso, todas elas som realizaçons próprias da oralidade.

Última modificação emSexta, 09 Março 2018 20:52
Avalie este item
(2 votos)
voltar ao topo

Facebook Twitter RSS Global