Autenticar
Main menu

A AEG utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Mais do mesmo

Mais do mesmo

Joám Luís Ferreiro Caramês

Como é possível que alguém acredite nestas cousas?, como é possível que alguém pense que vai curar umha doença através de cantos e/ou meditaçom?

Este fim de semana desenvolve-se na Corunha a feira de bio-cultura, mas vendo o que ali se desenvolve, mais que bio-cultura parece um total absurdo. Umha autêntica cerimónia da confusom, a mistura de venda de produtos biológicos com pseudociências e charlatanismo em geral, distorce o título da feira e dá umha imagem ruim do que pode ser umha opçom de vida saudável, mas nom é nada novo.

A retirada das duas “conferências” sobre vacinas, que na sua proposta se ofereciam como “proposta de opinions diferentes e espaço para a reflexom”, serviu só para eliminar o mais perigoso (e por perigoso entende-se dar validade de autenticidade a patranhas sem o mais mínimo rigor científico, e com implicaçons muito graves para a saúde humana). Mas ainda se mantenhem outras “conferências” outras jóias do conhecimento e ciência universais como “o ser holístico do século XXI”, “Geometria sagrada”, “terapia vibracional” ou “meditaçom com sons chamánicos”.

Como é possível que alguém acredite nestas cousas?, como é possível que alguém pense que vai curar umha doença através de cantos e/ou meditaçom? Pois do mesmo jeito que há gente que cura doenças por rezar a um santo determinado ou polo simples feito de acender umha vela numha igreja. Ambas vendem o mesmo umha vida melhor, as pseudociências umha vida saudável e a religiom umha vida eterna. E o ponto de partida também é o mesmo, a ignoráncia que permite que a gente seja enganada e manipulada para maior glória do peto da igreja ou de algum ou algumha “espabilados”. E que terá maior capacidade de sanaçom, a repetiçom dumha sílaba durante horas, ou a oraçom de umha dúzia de ave Marias ou rosários?. Em qualquer caso, as palavras mágicas nom curam, nem sequer as de Harry Potter, si o podem fazer a auto-sugestom e o convencimento de que realizar determinadas práticas saram alguém. O da vida eterna já é outra questom, provavelmente teremos que chamar Carlos Jesus e os seus amigos de Raticulí para que venham com os seus 13 milhons de naves para o explicar.

Há que ter muito cuidado com a linguagem. Chamar medicina alternativa à homeopatia ou à imposiçom de maos é falso porque nom som nem medicina nem som alternativas, e se som alternativa de algo o será da eutanásia.

Todo isto nom seria mais que umha parvada se nom fosse a conivência de organizaçons políticas e instituiçons na divulgaçom e a consolidaçom na nossa sociedade do acientifismo a ignoráncia e as trapaças. Um estado aconfessional deve proporcionar a educaçom suficiente à sociedade para que tenha elementos suficientes que lhe permitam julgar e determinar quando umha cousa é falsa ou nom, começando por umha educaçom integral em que, além de letras e humanidades, nom pode faltar a formaçom científica básica, séria e rigorosa. Nas instituiçons, nom se lhe pode dar a possibilidade de aparecer ante a sociedade como algo sério a crenças, mitos e trapaças ao mesmo nível que a ciência, enfrontar criacionismo a evoluçom ou homeopatia a medicina, nom só som debates falsos sem sentido, senom que dam credibilidade de ciência a simples questons de fé.

Nas organizaçons políticas nom se pode ser conivente com todo este tipo de práticas (e nom me refiro aqui à “especial relaçom” entre a Igreja Católica e a direita no nosso país, pola confluência de interesses mútuos), senom que em muitos casos é incrível ver algumha vez a ingenuidade e outras a falta total de seriedade com que se toleram e/ou apoiam algumhas destas pseudociências, e dá-se-lhes carta de credibilidade, deixando-as atuar, quando nom participando ativamente na sua difusom. Episódios recentes, como a intervençom de Lídia Senra no Parlamento europeu a respeito das vacinas, ou esta atuaçom do Governo da Maré Atlántica na Corunha, com o apoio institucional à feira de bio-cultura, fam muito mal à ciência e som um grande apoio para a difusom e credibilidade de crenças que numha sociedade formada, avançada e com pensamento crítico nom teriam cabida.

Última modificação emTerça, 06 Março 2018 00:25
Avalie este item
(1 Voto)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Facebook Twitter RSS Global